pt Vozes Chinesas
No. 05 | 25.07.2021
Li Jianxin: Eu estava pesquisando questões populacionais na fronteira sul e encontrei um fenômeno
Li Jianxin
Li Jianxin é professor do Departamento de Sociologia da Universidade de Pequim. Suas áreas de interesse são demografia, demografia social, políticas populacionais, envelhecimento e saúde.
De acordo com dados do último censo nacional, entre 2010 e 2020, a taxa de crescimento da população de Xinjiang (18,5%) foi maior do que a média nacional (5,28%). A população uigur de Xinjiang, que representa quase 45% do total da região, cresceu mais rapidamente do que muitos outros grupos étnicos. A pesquisa de campo de Li revela como a demografia de Xinjiang começou a mudar em 2017, tendendo para uma “baixa taxa de fertilidade, baixa taxa de mortalidade e baixa taxa de crescimento”, embora o processo de transição de Xinjiang tenha um atraso de aproximadamente 20 anos em relação a outras partes do país. A alta taxa de fertilidade na região sul antes de 2017 pode ser atribuída à falta de desenvolvimento social e econômico, à implementação incompleta da lei de casamento e da política de planejamento familiar, e ao impacto do extremismo religioso. Depois que Xinjiang começou a promover o Ensino Médio obrigatório em 2013, a taxa de fecundidade entre os adolescentes caiu significativamente. Além disso, Xinjiang tem implementado desde 2017 uma política de planejamento familiar uniforme, permitindo que pessoas de diferentes grupos étnicos tenham o mesmo número de filhos. Finalmente, Li sugere que argumentar com acusações de “genocídio em Xinjiang” por parte do Ocidente, movidas por ideologia, é como “tocar piano para uma vaca” (对牛弹琴 duì niú tán qín): um desperdício de esforço.
Como a China deve balancear a abertura e alcançar a autossuficiência tecnológica?
Jiang Xiaojuan
Jiang Xiaojuan é membra do Comitê Permanente do Congresso Nacional do Povo, Diretora Adjunta do Comitê de Construção Social e Decana da Escola de Administração Pública da Universidade de Tsinghua. Anteriormente, ela foi Secretária-Geral Adjunta do Conselho de Estado e Diretora Adjunta do Escritório de Pesquisa do Conselho de Estado.
À medida que a China prioriza sua estratégia de dupla circulação e seu incentivo à autossuficiência tecnológica, há algumas preocupações no sentido de que a abordagem voltada para dentro se desvie da política de abertura de 1978. Em seu discurso de 3 de julho, o Professor Jiang explica que a China precisa se ater a uma política de abertura neutra e de alto nível: ela não deve favorecer nem as exportações em detrimento das importações, nem o investimento direto estrangeiro (FDI por sua sigla em inglês) na China em detrimento dos investimentos do país no exterior. A China se tornou um ator-chave na globalização digital, onde os esforços conjuntos de vários países se expandiram para cobrir toda a cadeia de fornecimento, incluindo inovação, design e serviços. Por exemplo, a Plataforma Internacional de Comunicação de Especialistas Médicos da DingTalk (do Grupo Alibaba) desempenhou um grande papel na luta contra a COVID-19 nos países em desenvolvimento. Além disso, a China alberga duas das dez maiores metrópoles de inovação do mundo no campo da tecnologia da informação e comunicação (TIC). Em resposta às sanções dos EUA contra empresas chinesas, Jiang insta a China a conciliar abertura com autoconfiança tecnológica, continuando a se integrar à cadeia de fornecimento global digital, aumentando suas capacidades técnicas através da colaboração conjunta e impulsionando a inovação interna.
Reforma agrária fundiária: Como o PCCh tem servido os camponeses nos últimos 100 anos
Sun Leqiang
Sun Leqiang é professor do Centro de Estudos de Teoria Social Marxista e do Departamento de Filosofia da Universidade de Nanjing. Seus principais interesses são a História da filosofia marxista e do Marxismo em outros países.
Em 1936, Mao Tsé-Tung declarou: “Quem resolver a questão da terra ganha os camponeses, e quem ganhar os camponeses ganha a China”. O professor Sun argumenta que as políticas fundiárias do Partido Comunista Chinês (PCCh) nos últimos cem anos foram cruciais para que este ganhasse o apoio dos camponeses, vencer a revolução e lançar as bases para a industrialização. Para servir os camponeses, o PCCh estabeleceu o Sistema de Responsabilidade Contratual Doméstica em 1978 para desenvolver a produtividade e satisfazer as crescentes necessidades materiais e culturais do povo. Esta reforma protegeu os interesses dos camponeses e aumentou seu entusiasmo pela produção, criando uma abordagem orientada para o mercado sob propriedade pública socialista. Desde que Xi Jinping chegou ao poder em 2012, o PCCh avançou na reforma do sistema fundiário e separou a propriedade, o arrendamento e o manejo da terra, aumentando ainda mais a renda dos camponeses. Sun acredita que o CPC deve continuar a coordenar as funções econômicas e políticas da terra e salvaguardar os direitos e interesses dos camponeses na reforma e revitalização rurais.
Cientista de topo explica o que a China deve fazer para alcançar a neutralidade de carbono até 2060
Ding Zhongli
Ding Zhongli é geólogo e vice-presidente da Academia de Ciências da China. Nas últimas duas décadas, a pesquisa do Professor Ding tem se concentrado no câmbio climático.
Em setembro de 2020, a China se comprometeu a alcançar neutralidade de carbono em 40 anos, até 2060, com o objetivo de atingir o pico de emissões até 2030. O Professor Ding aponta a concepção errônea comum de que os EUA e os países europeus levarão 60 anos para passar do pico de emissões à neutralidade de carbono, quando, de fato, isso levará 70 ou 80 anos. Ding e sua equipe estabelecem uma estrutura analítica de neutralidade de carbono em nove itens, com questões e desafios-chave para as metas de neutralidade de carbono da China. Entre esses aspectos, o país deve prever a demanda de energia em áreas-chave como vida doméstica, indústria, construção e transporte, bem como o consumo total de energia da população ao longo do tempo. A China também deve encontrar maneiras de aumentar sua matriz energética de baixo carbono, especialmente energia eólica, solar, hidrelétrica, geotérmica e nuclear. Ding e sua equipe propõem converter o Planalto Qinghai-Tibete em uma área de demonstração para alcançar a neutralidade de carbono. Finalmente, embora muitos no Ocidente afirmem que a China é o maior poluidor do mundo, suas emissões per capita em 2019 (7,28 toneladas por ano) foram muito inferiores a dos EUA (16,10 toneladas por ano). Portanto, o autor insta a China a estabelecer um sistema padronizado de monitoramento, cálculo, comunicação e verificação dos balanços de carbono o mais rápido possível, para desmascarar os mitos ocidentais e aumentar o poder do discurso global da China no âmbito do câmbio climático.
As ideias de Mao Tsé-Tung sobre como lidar com os EUA são relevantes até hoje
Qi Yiming
Qi Yiming é pesquisador do Instituto de História e Literatura do Partido do Comitê Central do PCCh. Ele é formado pela Universidade de Wuhan. Suas áreas de pesquisa são História e Teoria do partido e líderes como Mao Tsé-Tung e Deng Xiaoping.
Como a China de hoje deve encarar a hegemonia estadunidense e as provocações dos governantes do país? A experiência e a sabedoria de Mao Tsé-Tung continuam sendo uma arma poderosa ainda hoje. Qi Yiming explora os principais comentários feitos por Mao durante os principais eventos da história da China, incluindo a Guerra de Libertação do Povo Chinês, a Guerra para Resistir à Agressão dos EUA e ajudar a Coreia, o restabelecimento do assento legal da China na ONU e a normalização das relações China-EUA em 1972. Uma das afirmações mais célebres de Mao – “O imperialismo americano é um tigre de papel” – nos inspira a enfrentar o unilateralismo e a hegemonia com confiança e paciência, a manter nosso espírito de luta e a melhorar nossa estratégia. Mao também vê as bases militares dos EUA em todo o mundo como “nada além de um nó de forca ao redor do pescoço do próprio imperialismo”. O imperialismo estadunidense cria tensão, a qual, por sua vez, “educou e fortaleceu” as pessoas em todo o mundo. Na luta contra os EUA, devemos “quebrar a idolatria do Ocidente” e contrariar o impacto da “bajulação, adoração, ou medo para os EUA”. Finalmente, “somente através e durante a luta podemos construir nossa fé na vitória”.

Inscreva-se para receber Vozes Chinesas. O resumo é publicado todos os domingos em inglês, espanhol e português.Baixe o PDF dos artigos completos (traduzidos automaticamente) deste número. As opiniões dos artigos não são necessariamente compartilhadas pelo coletivo editorial Dongsheng.

Siga nossas redes sociais: