pt Vozes Chinesas
No. 26 | 26.12.2021
Eleições para o LegCo de Hong Kong [VCG]
A democracia de Hong Kong sob a estrutura de “um país, dois sistemas”.
Jiang Shigong
Jiang Shigong (强世功) é vice-diretor do Departamento de Ciências Sociais, professor e vice-diretor da Faculdade de Direito da Universidade de Pequim

Os resultados eleitorais do sétimo termo do Conselho Legislativo (LegCo) da Região Administrativa Especial (RAE) de Hong Kong da China foram anunciados recentemente. Foi a primeira eleição do LegCo após os aprimoramentos do sistema eleitoral em Hong Kong sob o princípio de "patriotas administrando Hong Kong" (爱国者治港 àiguó zhě zhì gǎng). Assim, apesar da composição diversa e das opiniões políticas, todos os 90 membros eleitos são patriotas. Jiang Shigong apresenta uma visão geral do diálogo histórico entre o governo central e vários setores em Hong Kong sobre o desenvolvimento constitucional. No meio século desde o movimento de protesto antibritânico em 1967 até a eleição do Chefe do Executivo por sufrágio universal em 2017, Jiang destaca o fato de que o impulso para a transformação política de Hong Kong veio do governo central. Além disso, sem a promoção da reunificação de Hong Kong com o continente por parte do governo central , não teria havido desenvolvimento constitucional e reforma democrática em Hong Kong. Nesse sentido, o governo central tem sido o promotor da democracia na ilha, tornando paradoxal que algumas elites locais acreditem que o sufrágio universal veio como um presente dos britânicos – creditando o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos da ONU, do qual o governo britânico é parte – em vez da Lei Básica de Hong Kong que serve como base legal para o sufrágio universal, que o governo britânico havia declarado explicitamente que não se aplicava à região. O governo central tornou-se legalmente o mandatário. Entretanto, a descolonização de Hong Kong ainda está em andamento e a construção de "um país" nas mentes e identidades políticas de seu povo ainda não está completa. Além disso, segundo a Lei Básica, o governo central não exerce controle sobre a soberania fiscal, tributária e judicial, nem sobre a governança cotidiana de Hong Kong. De acordo com Jiang, sem o princípio de "patriotas administrando Hong Kong", a cidade se tornaria uma entidade política semi-independente e o sufrágio universal radical poderia levar a uma "crise constitucional" que colocaria em perigo "um país, dois sistemas". Se a RAE quiser manter um alto grau de autonomia sob "um país, dois sistemas" e, ao mesmo tempo, conseguir o "duplo sufrágio universal" para o Chefe do Executivo e o LegCo, a única maneira viável é encontrar um equilíbrio apropriado entre "um país" e "democracia". Portanto, o governo central adotou uma abordagem gradual, prudente e racional da questão do desenvolvimento constitucional de Hong Kong, a fim de evitar uma emergência política em Hong Kong.* O governo central está fortalecendo as forças patrióticas e usando este tempo para incentivar uma identidade política de Hong Kong que possa ser fortalecida com o tempo e nas gerações seguintes, a fim de manter a estabilidade e a prosperidade econômica da região a longo prazo.

*O artigo 18 da Lei Básica de Hong Kong estabelece que "a Região está em estado de emergência, o Governo Popular Central pode emitir uma ordem aplicando as leis nacionais relevantes na Região".

Por que a China precisa facilitar a política econômica para estabilizar o crescimento
Yu Yongding
Yu Yongding (余永定) é ex-diretor do Instituto de Economia e Política Mundial da Academia Chinesa de Ciências Sociais e fez parte do Comitê de Política Monetária do Banco Popular da China.

A China enviou um sinal claro de abrandamento da política monetária após seu anúncio de dar prioridade ao crescimento estável (稳增长 wěn zēngzhǎng) para 2022. Yu Yongding, que vem defendendo a moderação da política econômica, explica, a partir de uma perspectiva internacional, que a Reserva Federal dos Estados Unidos provavelmente enrijecerá sua política monetária, deixando a compra de títulos e adotando o aumento das taxas de juros em junho próximo. Caso isso ocorra, a fuga de capitais para os EUA poderia compensar os efeitos da política monetária moderada na China, a fim de alcançar um crescimento estável. Neste cenário, a China pode ter perdido o melhor momento de implementar políticas monetárias flexíveis para manter o crescimento estável. Dada a dívida crescente e a inflação, a China tem sido cautelosa quanto à flexibilização da política monetária. Yu argumenta, entretanto, que o índice de preços ao consumidor (IPC) da China uma medida da inflação permanece baixo (aumentado em 2,3% em novembro de 2021), comparado com uma taxa de inflação normal de 3 a 5% nos países em desenvolvimento. Além disso, devido às condições especiais da China alta poupança, domínio das instituições financeiras estatais, alta capacidade de lidar com crises sua tolerância à dívida deve ser significativamente maior do que a dos países ocidentais. Citando a frase de Deng Xiaoping "o desenvolvimento é o princípio absoluto" (发展是硬道理 fāzhǎn shì yìng dàolǐ), Yu destaca que a demanda efetiva insuficiente e o baixo crescimento econômico estão atualmente entre as principais preocupações da economia chinesa. A taxa de alavancagem macro do país a porcentagem da dívida global em relação ao PIB só poderia ser reduzida se seu crescimento econômico permanecesse forte. O Banco Central da China adotou medidas, tais como a redução da taxa de reserva necessária e o corte da taxa de empréstimo de referência, para injetar liquidez no mercado, o que reduzirá a pressão financeira sobre as empresas. Embora Yu enfatize que a política monetária não pode fazer muito para deter o declínio da economia da China, ao mesmo tempo em que enfatiza que a política fiscal poderia desempenhar um papel mais central no estímulo à economia. Além disso, ele sugere que os gastos fiscais concentrados em investimentos em infraestrutura poderiam ser uma melhor maneira de alcançar o objetivo de crescimento estável na China.

A digitalização está remodelando os condados e aldeias da China
Lü Peng
Lü Peng(吕鹏) é decano executivo do Instituto da China Digital, Universidade da Academia Chinesa de Ciências Sociais

Os condados e aldeias são o principal campo de batalha da revitalização rural e da prosperidade comum da China. Conduzindo pesquisas de campo em mais de uma dúzia de condados e dezenas de aldeias e vilas no oeste da China durante o ano passado, Lü Peng e sua equipe resumiram nove aspectos das mudanças no desenvolvimento rural que foram trazidas pela digitalização. O relatório mostra que, à medida que os governos de base competem para "agarrar" projetos, muitas grandes empresas de tecnologia têm-se afundado nos condados e têm criado novos postos de trabalho, tais como serviços de atendimento ao cliente online e treinadores de inteligência artificial, atraindo jovens que costumam trabalhar em grandes cidades para retornar a sua terra de origem. Os trabalhos relacionados à produção de conteúdo online também estão florescendo nos vilarejos. Na aldeia de Xuebu, um importante produtor de cristais localizado na província de Jiangsu, cerca de 600 habitantes se tornaram influenciadores digitais. Enquanto isso, muitos novos empregos digitais estão abertos para as mulheres, o que tem melhorado seu status familiar e sua autoconfiança. Outro fator para atrair os jovens de volta é o desenvolvimento das tecnologias digitais nos condados e aldeias. Por exemplo, os produtores de grãos podem solicitar empréstimos dentro de poucos minutos em seus telefones celulares por meio de programas de "empréstimo via satélite" (卫星贷款 wèixīng dàikuǎn) fornecidos por plataformas bancárias online. De acordo com o Alipay, a maior plataforma de pagamento digital da China, o Tibete tem sido o número um no país em termos de capilarização de pagamentos móveis por cinco anos consecutivos. Além disso, o crescimento das marcas do condado reflete o aumento de seu poder aquisitivo. No primeiro trimestre de 2021, as despesas de consumo per capita dos residentes rurais cresceram 21,1%, acima dos 15,7% dos residentes urbanos. Como resultado da digitalização e da globalização, mais e mais "condados campeões" têm surgido. Por exemplo, o Condado de Cao, anteriormente um condado pobre na província de Shandong, produziu 90% dos caixões para o Japão, 70% do total de vendas de trajes de performance online, e 30% do hanfu do país – trajes tradicionais chineses, tornando-se um fenômeno nacional este ano.

A visão de um PhD chinês sobre a industrialização na África
Cao Fengze
Cao Fengze (曹丰泽) é doutor em engenharia civil pela Universidade Tsinghua (2021) e ingressou no Grupo Sinohydro da China após a graduação para trabalhar em uma usina hidrelétrica tanzaniana.

A experiência de Cao Fengze na construção de usinas hidrelétricas na África oferece uma perspectiva renovadora acerca da compreensão dos jovens chineses sobre a industrialização. Depois de se formar na Universidade Tsinghua, uma das melhores universidades da China, Cao foi à África com a paixão de contribuir com seu "ofício" para levar eletricidade limpa e abundante ao povo da Tanzânia. Ele e seus companheiros estão construindo atualmente uma usina hidrelétrica naquele país, que será a maior da África subsaariana quando concluída. Ele escreve: "A Tanzânia é um país muito respeitável, mas, como outros países menos desenvolvidos da Ásia, da África e da América Latina, há muito tempo tem sido reprimida por uma ordem internacional injusta, o que dificulta a obtenção de recursos financeiros para a industrialização". A fim de construir essa usina hidrelétrica, o governo tanzaniano dedicou todos os seus esforços para que a indústria do país desse o passo mais difícil de zero para um". Entretanto, depois de mais de meio ano de experiência, a industrialização assumiu um novo significado aos olhos do Cao. Ao seu ver, a industrialização pode ser um processo “incômodo" (尴尬 gān gà). Para produzir energia elétrica, você precisa primeiro ter acesso a ela. No entanto, a Tanzânia carece de eletricidade e as instalações para as plantas hidrelétricas requerem um grande suprimento de energia elétrica para construção, processamento de materiais e transporte. O autor mora em um acampamento onde faltas de energia não são incomuns; as bombas que fornecem água para uso doméstico também precisam de eletricidade e, às vezes, tanto a água quanto a eletricidade desaparecem no meio da lavagem de louça ou do banho. No entanto, essas foram as melhores condições que a Tanzânia podia oferecer aos construtores chineses. Ao lembrar dessa experiência, Cao descreve como a industrialização também pode ser um processo "humilhante" (屈辱qū rǔ). Quando a água parou de repente no chuveiro enquanto ainda estava coberto de espuma, o autor pensou que, enquanto alguns países esgotaram seus recursos e enfrentam dificuldades, enquanto outros podem recolher os frutos dos trilhões de trabalhadores do mundo ao toque de um dedo, permitindo que centenas de milhões de pessoas possam ficar descansando em quartos climatizados de 17℃ por 24 horas sem necessidade de trabalhar. A industrialização é também um processo ridículo(荒唐huāng táng). O que é necessário para mudar essa ordem absurda são pessoas feitas de aço. "Espero que essas pessoas me incluam", diz Cao.

Avaliando a história e o legado da “febre Mao Zedong”
Zhang Xudong
Zhang Xudong(张旭东) é professor do Departamento de História do Partido Comunista da China, Escola do Partido do Comitê Central (Academia Chinesa de Governança)
Zhang Wenjing
Zhang Wenjing (张文靖)é doutoranda da Escola do Partido do Comitê Central do Partido Comunista da China

O dia 26 de dezembro de 2021 marca o 128º aniversário do nascimento de Mao Zedong. Por muito tempo, a admiração ao líder – ou "febre Mao Zedong" (毛泽东热 máozédōng rè) – tem aumentado, tanto oficial ou individualmente, como nacional ou internacionalmente. Hoje, na China, mais e mais jovens estão lendo as Obras Selecionadas de Mao Zedong. Zhang Xudong e Zhang Wenjing sintetizam quatro marcos históricos da "febre Mao": o primeiro foi a publicação da Estrela Vermelha de Edward Snow sobre a China em outubro de 1937. Snow foi o primeiro jornalista estrangeiro a entrevistar Mao, apresentando-o e o processo revolucionário chinês ao mundo. No seu lançamento, o livro foi traduzido para mais de 20 idiomas, e os 100.000 exemplares de versão chinesa foram esgotados em apenas algumas semanas. O segundo momento foi na década de 1950, quando, sob a liderança de Mao, a China completou sua transformação socialista e a maioria das regiões foi capaz de resolver a questão da fome e do vestuário para seu povo. Por isso, houve uma manifestação de amor e apoio a Mao entre o povo, expresso no cântico comum, "Viva o presidente Mao". O terceiro momento foi marcado pela Revolução Cultural de 1966, e o quarto teve início na década de 1990 e continua até hoje. Internacionalmente, a febre de Mao também cresceu nas décadas de 1960 e 1970 devido ao carisma do líder chinês, sua grande contribuição para a Revolução Chinesa e a libertação de nações e povos oprimidos ao redor do mundo, e sua grande influência sobre o público. O entusiasmo de Mao também reflete as condições sociais. Durante o período de Reforma e Abertura, a economia de mercado socialista da China trouxe consigo uma série de problemas sociais, e alguns grupos, insatisfeitos por estarem em desvantagem na competição de mercado, começaram a sentir falta da era Mao. Além disso, surgiram oportunidades de busca e fixação de renda com a economia de mercado, com alguns quadros dirigentes aproveitando a situação para enriquecer e se envolver na corrupção. Essa realidade também encorajou uma mudança em direção às experiências de anticorrupção durante a era Mao. Os autores acreditam que a febre Mao sempre emerge em conjunto com as ações sociais na China, e que é um fenômeno saudável, progressista e que traz esperança. Ao mesmo tempo, a avaliação de Mao deve ser feita em uma abordagem materialista científica e histórica. Os autores acreditam que Mao e a era Mao não apenas mudaram a história moderna da China, mas continuarão a influenciar a história do futuro – a febre Mao, portanto, continuará.

Inscreva-se para receber Vozes Chinesas. O resumo é publicado todos os domingos em inglês, espanhol e português.Baixe o PDF dos artigos completos (traduzidos automaticamente) deste número. As opiniões dos artigos não são necessariamente compartilhadas pelo coletivo editorial Dongsheng.

Siga nossas redes sociais: