pt Vozes Chinesas
No. 44 | 15.05.2022
O povoado de Dulongjiang na província de Yunnan e os seus habitantes Dulong, tais como Li Wenshi, tornaram-se um modelo do esforço para o alívio da pobreza na China. [Xinhua]
Desafios para o novo chefe executivo de Hong Kong
Liu Zhaojia
Liu Zhaojia (刘兆佳) é vice-presidente da Associação Chinesa de Estudos de Hong Kong e Macau

Contexto

Em 8 de maio, em uma vitória decisiva, o único candidato John Lee Ka-chiu foi eleito como sexto chefe executivo da Região Administrativa Especial de Hong Kong (RAEHK). Este é o primeiro chefe executivo designado desde que o governo central tomou medidas para melhorar o sistema eleitoral. Lee trabalhou na Força Policial de Hong Kong (HKPF, por sua sigla em inglês) por mais de 30 anos, e é o primeiro policial na história da cidade a ser eleito como chefe executivo. Liu Zhaojia analisa os desafios externos e internos a serem enfrentados por Lee Ka-chiu e as prioridades da liderança da administração de Hong Kong.

Pontos-chave

  • Nos últimos anos, Hong Kong tem se defrontado com sérios desafios. Os conflitos existentes não resolvidos, tanto internos como externos, antes e depois da reunificação da região com a pátria chinesa, têm se acumulado e irrompido em grande escala através dos protestos sobre o projeto de emenda(修例风波 xiū lì fēngbō)em 2019, resultando numa crise sem precedentes em Hong Kong. Isso obrigou as autoridades centrais a tomarem medidas decisivas para conter as forças hostis internas e externas, melhorar o sistema eleitoral, implementando o princípio "patriotas que governam Hong Kong", bem como para assegurar a adesão ao preceito do "um país, dois sistemas".
  • A dissociação gradual entre o campo ocidental liderado pelos Estados Unidos e as forças contra-hegemônicas – incluindo a China, a Rússia e o Irã – pressionará o papel desempenhado de Hong Kong como ponte entre a China e o Ocidente. Como resultado, os "privilégios especiais" que a cidade recebeu anteriormente do Ocidente desaparecerão lentamente.
  • Como parte da República Popular da China, as prioridades estratégicas de Hong Kong no futuro devem ser, tanto quanto possível, fortalecer sua capacidade de manter a segurança e a estabilidade da região e acelerar sua integração no desenvolvimento geral do país.
  • O novo chefe executivo deve abordar as questões urgentes, o que inclui o desenvolvimento de um plano para impulsionar a economia da cidade, o fortalecimento dos laços econômicos com a China continental, a implementação do 14º Plano Quinquenal relativo a Hong Kong, a melhoria do sustento do povo e a promoção do sentimento de pertença de Hong Kong à comunidade chinesa. Ao fazer isso, pode ganhar a confiança do governo central e dos cidadãos de Hong Kong.
  • No processo de governança de Hong Kong, a gestão dessa Região Administrativa Especial (RAE) deve aceitar a liderança e a orientação do governo central, manter a coerência com ele em questões importantes, e fazer maiores esforços para fortalecer e unir ainda mais as forças patrióticas.

Sumário

O autor assinala que a nova equipe de gestão de Hong Kong deve manter a segurança da região diante das sanções e da repressão por parte dos Estados Unidos e seus aliados. Sob a liderança do governo central, o novo governo da RAE deveria impedir a disseminação da Covid-19 e retomar as viagens sem quarentena de e para a China continental e exterior o mais rapidamente possível. O governo deve lidar com a severa recessão econômica e enfrentar o aumento do desemprego, a disparidade de renda, os problemas de moradia e a mobilidade ascendente dos jovens. Além disso, o governo deve implementar sistemas sociais e reformas políticas para construir uma sociedade mais justa, e intensificar os esforços para promover a educação para facilitar o sentimento de pertença nacional do povo.

Como a cooperação por pareamento Leste-Oeste ajuda a alcançar o alívio da pobreza e a prosperidade comum
Wang Xiaolin
Wang Xiaolin (王小林) é vice-reitor e professor do Instituto de Economia do Sexto Sector na Universidade de Fudan
Xie Niyun
Xie Niyun (谢妮芸) é doutoranda da Escola de Gestão da Universidade Fudan

Contexto

A cooperação por pareamento Leste-Oeste (东西部协作与对口支援 dōngxī bù xiézuò yǔ duìkǒu zhīyuán) é um arranjo institucional que visa a reduzir o fosso de desenvolvimento entre regiões e promover a coordenação e o desenvolvimento compartilhado. Wang Xiaolin e Xie Niyun analisam o estabelecimento e desenvolvimento deste sistema e o seu importante papel no alívio da pobreza e na concretização da prosperidade comum.

Pontos-chave

  • O sistema de pareamento foi estabelecido em 1978 para combater a pobreza primeiramente nas áreas fronteiriças e de minorias étnicas, por meio de assistência financeira e tecnológica. Posteriormente, foi expandido para outras áreas pobres nas regiões do oeste da China. Grandes cidades como Beijing e Xangai, bem como outras regiões mais desenvolvidas, foram emparelhadas com cidades e províncias empobrecidas nas áreas ocidentais.
  • Em 2016, o pareamento Leste-Oeste tornou-se um sistema original para a redução da pobreza e coordenação regional. As áreas de cooperação incluem a econômica, social e ecológica, voltadas para alcançar a redução sustentada da pobreza.
  • O governo central estabeleceu um mecanismo de incentivo e avaliação (2016) para que os governos locais assumissem a responsabilidade pela cooperação. Entre 2003 e 2015, a média anual da ajuda governamental que vai das áreas orientais para ocidentais foi de 437,82 milhões de yuans. Em 2016, o montante da ajuda aumentou para 2,29 bilhões de yuans.
  • Os governos locais das regiões do oeste e leste do país também reforçaram a sua colaboração com empresas locais. Com políticas favoráveis e fundos especiais, forneceram infraestrutura às empresas, formação de talentos e parques industriais, e também mobilizaram e encorajaram várias empresas estatais e privadas a participar na redução da pobreza. Por exemplo, o promotor imobiliário Country Garden, sediado em Guangdong, cultiva vegetais na região ocidental de Guizhou.
  • Os governos locais das áreas do oeste da China mobilizaram amplamente múltiplas forças, incluindo agências governamentais, organizações sociais e indivíduos, para participarem na causa. Por exemplo, uma média de 159 quadros governamentais do leste do país assumiu posições governamentais temporárias nas áreas ocidentais entre 2003 e 2015, e o número aumentou para 12.412 em 2018.

Resumo

Os autores argumentam que a evolução do sistema de cooperação por pareamento Leste-Oeste deve ser pensada no contexto geral do progresso da China no sentido da modernização. Com o objetivo de prosperidade comum, o governo chinês, com suas características socialistas, tem demonstrado uma capacidade mais forte de alocar recursos e regular o mercado do que os países ocidentais. O sistema não corresponde ao que seria designado como "roubar os ricos aos pobres" sob a teoria da tributação ocidental, mas consiste de fato em uma redistribuição, de acordo com o sistema fiscal chinês de partilha de tributos.

A transformação da identidade da classe trabalhadora da China
Cheng Meidong
Cheng Meidong(程美东) é professor da Escola de Marxismo da Universidade de Pequim
Lin Yanzhi
Lin Yanzhi(林炎志) é ex-vice-secretário do Comitê Provincial de Jilin do Partido Comunista da China (PCCh)

Contexto

O povo chinês celebrou o Dia Internacional dos Trabalhadores no último 1º de maio e o Dia da Juventude no dia 4 de maio. Em seu artigo, Cheng Meidong e Lin Yanzhi analisam a transformação secular da identidade social da classe trabalhadora chinesa desde o Movimento 4 de Maio de 1919, a partir da "sacralidade do trabalho" (劳工神圣 láogōng shénshèng) e "supremacia operária e camponesa" (工农至上 gōngnong zhìshàng), para "dagong ren" (打工人 dǎgōng rén) ou trabalhadores "dagong", gíria popular da internet, que inicialmente se referia a jovens trabalhadores migrantes em indústrias de mão-de-obra intensiva, depois se expandiu para trabalhadores urbanos de colarinho branco bem educados. Eles também discutem os objetivos atuais da política do Partido Comunista da China (PCCh) de conter o papel negativo do capital e dedicar-se a melhorar o bem-estar do povo.

Pontos-chave

  • Durante o período do Movimento 4 de Maio, o termo "sacralidade do trabalho" foi desenvolvido por intelectuais que foram influenciados pelo valor ocidental de igualdade e ideologia socialista combinada com a cultura tradicional chinesa. Foi proposto pela primeira vez em 1918 por um renomado educador, Cai Yuanpei, importante contribuidor para a difusão do Marxismo na China. Ele enfatizou a necessidade de respeitar o trabalho, e propôs que os intelectuais devessem se integrar à classe trabalhadora. Após a Primeira Guerra Mundial, a China viu a ascensão do Movimento de Trabalho Diligente e Estudo Frugal (勤工俭学 qín gōng jiǎn xué), uma prática importante da classe jovem intelectual, deixando seus programas de formação de elite e se tornando trabalhadores comuns.
  • Após a fundação do PCCh, a consciência moral da "sacralidade do trabalho" permitiu diretamente que a classe trabalhadora se tornasse uma força-chave na revolução chinesa liderada pelo próprio Partido. Um requisito importante para ser membro do Partido durante a guerra civil de dez anos (1927-1937) era que o candidato fosse da classe trabalhadora.
  • Com a fundação da Nova China, a "supremacia dos trabalhadores e camponeses" tornou-se o princípio político fundamental. Apesar dos contínuos desafios enfrentados pelos trabalhadores e camponeses chineses por um longo período, eles tinham respeito e gratidão sinceros por Mao Zedong e pelo Partido Comunista, por conquistarem um reconhecimento sem precedentes em termos de identidade social e política.
  • A concepção de "dagong ren" destaca que somente com trabalho duro podemos colher frutos. A atual popularidade do conceito expressa uma autopercepção pragmática da nova geração de jovens que cresce no século XXI.

Resumo

Cheng Meidong aponta que o termo "dagong ren" se afastou da "sacralização da identidade" da classe trabalhadora, e a prevalência de seu uso entre os chineses reflete o fato de que a classe trabalhadora tem mais expectativas para a distribuição de benefícios sociais sob a sistema de economia de mercado socialista. Desde dezembro de 2020, o PCCh começou a refrear sistematicamente a influência negativa do capital nos interesses públicos e se comprometeu a alcançar a prosperidade comum. Lin Yanzhi explica que essas políticas representam os esforços de desenvolvimento econômico centrado no povo do PCCh, constituindo um processo no qual o desenvolvimento serve a população, dela depende e com ela compartilha seus frutos.

Como o PCCh retira minorias étnicas da pobreza: um estudo de caso do povo Dulong na província de Yunnan
Outlook Weekly
Outlook Weekly(《瞭望》周刊) é uma revista de notícias especializada em assuntos atuais, economia e política da China, e faz parte da Agência de Notícias Xinhua

Contexto

As minorias étnicas em áreas remotas são a principal prioridade da campanha de alívio da pobreza do PCCh. O grupo étnico Dulong (独龙族 dú lóng zú), que vive no município de Dulongjiang – uma das regiões mais pobres da China – é um dos 28 grupos étnicos com pequenas populações na China. O grupo também é uma das minorias étnicas que transitaram diretamente de uma sociedade primitiva para uma sociedade socialista (em termos marxistas) quando a Nova China foi fundada. Este artigo explica como o povo Dulong foi retirado da extrema pobreza sob a liderança do presidente Xi Jinping.

Pontos-chave

  • Na década de 1990, não havia nenhuma estrada na comunidade de Dulongjiang, e a tirolesa era o único meio de transporte do povo Dulong para atravessar o rio. Em 2014, o túnel rodoviário do Rio Dulong na Montanha Gaoligong foi inaugurado, e mais de 4.200 pessoas de Dulong se despediram da história de milhares de anos de estarem confinadas pelas montanhas.
  • Com o apoio de Xangai, sob o sistema de emparelhamento Leste-Oeste, 32 secretarias provinciais de Yunnan criaram uma equipe de liderança para desenvolver "seis programas de alívio da pobreza" na área de assentamento de Dulong, abrangendo moradia, alimentação e construção de infraestrutura e proteção ambiental, com um investimento total de mais de 1,315 bilhões de yuans.
  • Uma das políticas de alívio da pobreza é o fomento de indústrias especiais para ajudar as pessoas a elevar sua renda. O povo Dulong plantou 70.000 mu (4,667 hectares) de grama e frutas, com 16 mu per capita e uma renda familiar média de 20.000 yuans. Apicultura, gado e outras indústrias especiais também foram desenvolvidas.
  • Após a erradicação da pobreza absoluta, a Província de Yunnan adotou um sistema de responsabilidade de cinco níveis de secretários, do nível provincial ao do comitê do povoado, para continuar a implementar a estratégia de revitalização do campo. Este sistema inclui a solução de questões de empregabilidade em uma base individual e sua mobilização para participar de treinamento de habilidades vocacionais em trabalhos de soldagem e eletricidade. Em 2021, a capacitação profissional beneficiou mais de 400 pessoas, e o número de aldeões que encontraram emprego na cidade chegou a 1.314.
  • Em 2021, a renda líquida per capita dos agricultores do município de Dulongjiang atingiu 15.000 yuans. Mais de 85 por cento das famílias no município possuem veículos motorizados.
  • Hoje Dulongjiang tem 3 alunos de doutorado, 2 alunos de mestrado e 65 alunos de graduação, e compras on-line e pagamentos digitais tornaram-se um modo de vida para a geração mais jovem. O município desenvolveu a indústria florestal para ajudar as pessoas a ganhar mais dinheiro, e a taxa de cobertura florestal atingiu 93,10%.

Resumo

O artigo assinala que “para alcançar a prosperidade em todos os aspectos, nenhum grupo étnico pode ser abandonado”, e a eliminação da pobreza do povo Dulong é um exemplo de como o PCCh coloca esse slogan em ação. Essas reflexões mostram que o governo, sob a liderança de Xi, atribui grande importância ao bem-estar das minorias étnicas, ao desenvolvimento econômico e social das áreas étnicas minoritárias, bem como à igualdade de todos os grupos étnicos.

A contribuição de Mao Zedong para o estabelecimento do sistema da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC)
Zhao Lianwen
Zhao Lianwen (赵连稳) é o vice-diretor executivo da Base de Pesquisa de Construção da Civilização Política de Beijing da Universidade da União de Beijing e especialista em pesquisa sobre questões da CCPPC

Contexto

A cooperação entre múltiplas partes e o sistema de consulta política sob a liderança do PCCh, como um sistema partidário socialista com características chinesas, é fruto da combinação da teoria partidária marxista e do conceito de frente única, refletindo as realidades da China. Neste artigo, Zhao Lianzhian discute em detalhes como o sistema da CCPPC foi estabelecido e melhorado passo a passo desde a fase posterior da Guerra de Libertação até a fundação inicial da República Popular da China, e a contribuição histórica feita por Mao Zedong.

Pontos-chave

  • Já durante a Guerra de Resistência contra a Agressão Japonesa, Mao reconheceu que o estabelecimento de uma frente unida, agregando forças progressistas fora do Partido, era crucial para a vitória da revolução. Em abril de 1948, diante do iminente triunfo na Guerra de Libertação, ele fez um apelo para "convocar uma conferência consultiva política e estabelecer um governo de coalizão", e promoveu a ideia de cooperação entre múltiplas partes.
  • Ao saber da dissolução de alguns partidos democráticos, como a Associação de Salvação do Povo Chinês (中国人民救国会 zhōngguó rénmín jiùguóhuì), após a fundação da Nova China, Mao imediatamente a impediu. Ele enfatizou em muitos casos, "uma aliança do PCCh e partidos não comunistas sempre estará por perto".
  • Mao, então, encabeçou a formulação do Programa Comum da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês e outros documentos legais, estipulando sob a forma legislativa que a CCPPC era uma organização de frente única democrática popular com uma longa história.
  • Em 1949, a Primeira Conferência Consultiva Política Nacional convocou sua sessão plenária em substituição ao Congresso do Povo. Alguns membros de partidos minoritários entenderam equivocadamente que a CCPPC seria um órgão de poder na Nova China. Mao apontou que a Nova China adotou o sistema político de um Estado socialista em oposição ao sistema parlamentar burguês. O Programa Comum de 1954 deixou claro que os direitos da República Popular da China pertenciam ao povo, e o órgão máximo do povo para exercer o poder era o Congresso Nacional do Povo. Portanto, a CCPPC não seria um órgão estatal, mas uma organização de frente unida.
  • Consulta política, supervisão democrática e participação em assuntos políticos são as principais funções do sistema CCPPC. Mao defendia que pessoas de fora do PCCh deveriam supervisionar o Partido Comunista, expor suas opiniões sobre vários assuntos e que o Partido deveria ouvi-los. Ele enfatizou o direito da CCPPC de apresentar propostas à Assembleia Popular Nacional e ao governo central.

Resumo

Após a realização da Primeira Assembleia Popular Nacional (APN), em setembro de 1954, a CCPPC deixou de atuar como substituta do poder estatal. Mao disse: "A existência da APN não nos impede de estabelecer a CCPPC para consulta política. É muito importante que as principais figuras de todos os partidos, nacionalidades e grupos se reúnam para serem consultados acerca dos grandes assuntos da Nova China." A história dos últimos 70 anos comprova que a CCPPC, como importante participante na construção da política democrática socialista da China, tem desempenhado um papel essencial no processo de melhoria da capacidade e do nível de governança nacional.

(O “Vozes Chinesas” continuará a interpretar o contexto histórico e a lógica de desenvolvimento da sinicização do Marxismo)

Inscreva-se para receber Vozes Chinesas. O resumo é publicado todos os domingos em inglês, espanhol e português.Baixe o PDF dos artigos completos (traduzidos automaticamente) deste número. As opiniões dos artigos não são necessariamente compartilhadas pelo coletivo editorial Dongsheng.

Siga nossas redes sociais: