pt Vozes Chinesas
No. 46 | 29.05.2022
Xangai está reabrindo aos poucos. Uma motorista de ônibus mostra um código QR para que uma passageira o escaneie antes de entrar no ônibus. 24 de maio de 2022. [China Daily]
Como a China pode atingir sua meta de crescimento diante da COVID-19?
Lin Yifu
Lin Yifu (林毅夫) é diretor do Instituto de Nova Economia Estrutural da Universidade de Pequim, e é o ex-economista chefe do Banco Mundial
Sheng Songcheng
Sheng Songcheng (盛松成) é um ex-chefe do Departamento de Pesquisa Financeira e Estatística do Banco Popular da China

Contexto

A economia chinesa enfrenta uma pressão descendente acentuada devido a choques negativos inesperados, incluindo uma nova rodada de surtos da COVID-19 e o conflito russo-ucraniano. Sheng Songcheng prevê que a economia da China se recuperará significativamente no segundo semestre do ano. Lin Yifu acredita que, se a China puder alcançar "dinâmica de infecção zero" (动态清零 dòngtài qīng líng) até o final de maio, é possível atingir a meta de crescimento de cerca de 5,5% este ano. A política dinâmica de infecção zero consiste na orientação chinesa na luta contra a COVID-19, e significa que todos os casos positivos têm sido detectados e são enviados ou para tratamento centralizado ou para quarentena a fim de quebrar a transmissão da COVID-19.

Pontos-chave

  • Ao criar uma "versão asiática da OTAN" e realizar uma cúpula da ASEAN, os Estados Unidos estão tentando persuadir outros países a se desligarem da China, perturbando assim o ritmo do rejuvenescimento nacional da China. Não há necessidade, porém, de se alarmarem. Como o maior país comercial do mundo, a China é um parceiro comercial justo e lucrativo, beneficiando, assim, economias menores e países em desenvolvimento.
  • Desde 2008, a contribuição da China para o crescimento econômico mundial tem sido entre 25 e 30%. Enquanto a China continuar crescendo a uma taxa mais alta e se abrir economicamente, os países europeus e os países da ASEAN não participarão da armadilha de desacoplamento dos Estados Unidos, a fim de assegurar seu crescimento econômico e criação de empregos.
  • No plano interno, o principal problema da economia chinesa é que a confiança empresarial enfraqueceu. Desde o ano passado, tem havido alguns efeitos negativos não intencionais causados pela implementação de certas políticas de médio e longo prazo que são benéficas para o desenvolvimento econômico de alta qualidade, tais como a regulamentação de plataformas on-line, o fortalecimento dos controles duplos sobre a intensidade energética e o consumo bruto de energia e o endurecimento das regras de financiamento para o setor imobiliário carregado de dívidas. A Conferência Econômica Central chinesa enfatizou repetidamente que o desenvolvimento é a base para resolver todos os problemas, e o governo deve manter um crescimento econômico rápido e reconstruir a confiança de maneira oportuna.
  • Depois de atingir zero infecções por COVID-19, a China deve rapidamente retomar a produção e voltar ao normal. Algumas PMEs e microempresas em cidades fechadas estão à beira da falência, e o governo deveria ajudá-las a permanecer à tona, introduzindo medidas como cortes de impostos, isenções fiscais e reduções de aluguel. A equipe de Lin também sugere um esquema de cupons de consumo incluindo 500 yuan vouchers e 500 yuan digitais para famílias de baixa e média renda nas áreas fechadas para apoiar o consumo das pessoas.
  • Sheng aponta que a regulamentação imobiliária pode ser moderadamente relaxada enquanto se adere aos princípios de prevenção de riscos e habitação não especulativa.

Resumo

Sheng assinala que o impacto econômico da epidemia se refletirá principalmente no segundo trimestre, já que se espera que o crescimento do PIB fique em torno de 2,1%, mas chegue a 3,5% no final do primeiro semestre do ano. Com a implementação de várias políticas para estabilizar o crescimento, a economia da China melhorará significativamente no segundo semestre do ano. De acordo com Lin, a China não deve ficar atrás do crescimento econômico dos Estados Unidos. Desde que todos os instrumentos econômicos sejam devidamente utilizados para superar as dificuldades que enfrenta, a China ainda poderá alcançar uma taxa de crescimento anual de 6% nos próximos 14 anos.

A estratégia Indo-Pacífico dos EUA está pressionando a ASEAN em seu jogo contra a China
Liu Zongyi
Liu Zongyi(刘宗义)é secretário-geral do Centro de Estudos da China e Ásia do Sul, Instituto de Estudos Internacionais de Xangai
Huang He
Huang He(黄河)é professor da Escola de Relações Internacionais e Assuntos Públicos da Universidade Fudan
Zhang Yuting
Zhang Yuting(张宇婷)é estudante de pós-graduação da Escola de Relações Internacionais e Assuntos Públicos, Universidade Fudan

Contexto

Alguns dias após a Cúpula da ASEAN, o Presidente Joe Biden visitou a Coreia do Sul e o Japão e anunciou o lançamento do "Quadro Econômico Indo-Pacífico" (IEPF, por sua sigla em inglês). Liu Zongyi assinala que essa moldura visa a ser o pilar econômico da "Estratégia Indo-Pacífico" dos Estados Unidos que serve a seus interesses geopolíticos. Huang He e Zhang Yuting explicam que os Estados Unidos respeitam ostensivamente a "centralidade da ASEAN", mas na verdade usam a "Estratégia Indo-Pacífico" para enfraquecer a coesão interna e a autonomia regional da ASEAN.

Pontos-chave

  • A IEPF foi criada para isolar a China e restabelecer os Estados Unidos como um ator central nas cadeias globais de abastecimento, trazendo outros países da região Ásia-Pacífico para a esfera de influência estadunidense.
  • Ao contrário da Parceria Transpacífico (TPP, por sua sigla em inglês), a IEPF não facilitará o acesso de outros países ao mercado dos Estados Unidos por meio da eliminação de tarifas e barreiras não-tarifárias ao comércio. É evidente que os Estados Unidos não querem proporcionar mais acesso ao mercado para os países asiáticos.
  • A "Estratégia Indo-Pacífico" divide os países em quatro categorias, de acordo com suas relações bilaterais e importância. Essa "abordagem estratificada" dificulta a estrutura original e o processo de cooperação da ASEAN, forçando os países membros a "escolher um ou outro". Ao mesmo tempo, os Estados Unidos escolhem como aliados os países mais fortes dentro da ASEAN, e carecem de interesse em países com níveis de desenvolvimento mais baixos, reforçando ainda mais a lacuna de desenvolvimento entre os Estados-membros.
  • A "Estratégia Indo-Pacífico" se concentra na segurança, defesa e cooperação militar e minimiza as questões econômicas que preocupam a ASEAN. Durante 2010-2019, o comércio bilateral China-ASEAN mais do que duplicou, enquanto que o dos EUA-ASEAN aumentou em apenas 62,65%.
  • A "Estratégia Indo-Pacífico" é uma continuação da "diplomacia" da Guerra Fria dos Estados Unidos, politizando e militarizando disputas, o que entra em conflito com a filosofia da ASEAN de se opor à politização e buscar a cooperação.

Sumário

Liu Zongyi acredita que a posição da China como centro da cadeia de abastecimento asiática foi consolidada e a Parceria Econômica Integral Regional (RCEP) foi lançada, de forma que o "Quadro Econômico Indo-Pacífico" não pode deter a contínua ascensão da China. De acordo com Huang He e Zhang Yuting, da administração Obama à administração Biden, as práticas diplomáticas e regras estratégicas dos Estados Unidos foram limitadas na ajuda para que a ASEAN expandisse sua liderança e influência sobre assuntos regionais, enquanto a China forneceu apoio tangível ao processo de integração da ASEAN e à centralidade da organização através de cooperação prática.

Guerra russo-ucraniana: a União Europeia (EU) e a Ucrânia serão as maiores perdedoras
Chen Wenling
Chen Wenling (陈文玲) é Economista-Chefe do China Center for International Economic Exchanges, um think tank da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma

Contexto

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia já se arrasta por mais de dois meses, durante os quais o conflito vem se intensificando. Segundo Chen Wenling, embora o campo de batalha seja na Ucrânia, o confronto militar tem impactos regionais e globais, tendo tanto a Ucrânia como a União Europeia a perder mais.

Pontos-chave

  • Os Estados Unidos são os iniciadores do conflito russo-ucraniano e seu objetivo é "matar quatro coelhos com uma cajadada só": usar a Ucrânia como peão para provocar o conflito, fortalecendo, assim, uma OTAN controlada por eles, romper os laços entre a Europa e Rússia, para acelerar o fluxo do dólar estadunidense e fornecer contratos lucrativos para os cerca de 4.000 grupos de lobby do complexo militar-industrial dos EUA.
  • Em 2020, as reservas comprovadas de gás natural da Rússia de 37,4 trilhões de metros cúbicos, o que representa cerca de 20% das reservas globais, foram exportadas em grandes quantidades para a Europa por meio de gasodutos. Com o conflito russo-ucraniano instigado pelos EUA, no entanto, as empresas de gás natural dos EUA poderiam usurpar os russos, devido às sanções, e assumir esse lucrativo mercado europeu. Nesse sentido, uma das razões por trás do conflito russo-ucraniano é a batalha pela energia.
  • Os Estados Unidos amarraram seus aliados para sancionar a Rússia, causando um grande impacto na economia mundial, especialmente na Europa. A taxa de crescimento económico da UE caiu drasticamente e surgiu uma crise energética. Além disso, há um alto risco de que o euro seja desvalorizado como resultado da guerra.
  • Os EUA declararam a China seu maior concorrente estratégico e também estão prontos para enfrentar agressivamente este país, juntamente com a Rússia, ao mesmo tempo. O país norte-americano lançou uma guerra ideológica e tecnológica abrangente contra a China, mas não está pronto para uma guerra "quente", já que as economias estadunidense e chinesa estão intimamente ligadas. Além disso, os EUA ainda não fizeram progressos substanciais no fortalecimento de sua cadeia de suprimentos, notadamente em quatro campos principais, incluindo semicondutores. Taiwan, como vetor dos EUA para conter a China, pode ajudá-los a construir fábricas de semicondutores por meio da TSMC, uma gigante taiwanesa na fabricação de chips. Esse plano, no entanto, ainda não foi concretizado.
  • O conflito russo-ucraniano pode afetar a China em três aspectos. Primeiramente, como a Rússia é um dos maiores provedores de petróleo e gás chineses, a intensificação do conflito pode afetar o fornecimento de energia do país asiático. Em segundo lugar, o Ocidente impôs sanções sem precedentes contra a Rússia, e o silêncio da China pode resultar em retaliação dos EUA. Finalmente, o plano da China de construir a Iniciativa do Cinturão e da Rota (一带一路 yī dài yī lù) com a Ucrânia e os países da UE será afetado. No entanto, o impacto geral sobre a economia da China não será significativo.

Resumo

A autora argumenta que a Rússia, um grande exportador de recursos energéticos e alimentos, juntamente com sua indústria militar desenvolvida e seu controle das rotas marítimas do Ártico, é capaz de lidar com o estresse econômico. A Ucrânia, ao contrário, é mera forragem de canhão para manter a hegemonia dos EUA. Em vez de lançar ou provocar guerras, a China promove a paz, o desenvolvimento e o multilateralismo.

A história do C919 : O desenvolvimento do avião doméstico chinês
Lu Feng
Lu Feng (路风) é professor do Departamento de Economia Política da Escola de Governo da Universidade de Pequim
Zhao Yining
Zhao Yining (赵忆宁) é jornalista e autora do livro Megaprojetos em uma Grande Nação

Contexto

No dia 14 de maio, o avião chinês de grande porte C919 completou um voo de teste em Xangai. Construído pela empresa estatal Commercial Aircraft Corporation of China (COMAC, por sua sigla em inglês), o C919 rivaliza com o Boeing 737 e o Airbus 320, e, consequentemente, despertou a atenção generalizada da mídia. Como participante da fundamentação do projeto, Lu Feng relata os processos de tomada de decisão e as reviravoltas do projeto de grandes aeronaves da China, e enfatiza a importância do desenvolvimento independente do projeto diante da pressão dos Estados Unidos sobre o setor tecnológico do país.

Pontos-chave

  • Em 1970, Xangai iniciou o desenvolvimento do primeiro grande avião de passageiros da China, o Y-10, sob instruções de Mao Zedong. Depois de uma década, o Y-10 foi desenvolvido com sucesso e tornou-se uma conquista tecnológica equivalente às "Duas Bombas e um Satélite". Depois que o projeto parou em 1985, a plataforma de P&D, o desenvolvimento da cadeia de suprimentos e o treinamento de talentos também foram interrompidos.
  • Após a crise do Estreito de Taiwan (1995-1996) e o bombardeio da Embaixada chinesa na Iugoslávia pela OTAN (1999), os líderes chineses começaram a investir mais na indústria de defesa nacional, e o projeto de grandes aeronaves foi revitalizado em 2003.
  • O processo de justificativa para o projeto de grandes aeronaves foi árduo. Como as capacidades técnicas da China estavam menos desenvolvidas que as dos Estados Unidos e da Europa, Lu sugeriu aprender com a experiência do primeiro porta-aviões chinês, Liaoning, que foi desenvolvido usando uma velha aeronave ucraniana que a China havia adquirido, e permitindo que o pessoal técnico original da Y-10 retomasse o vôo. Mas a sugestão não foi aprovada.
  • Houve também disputas entre diferentes departamentos governamentais sobre a construção de um avião de transporte militar ou de um avião civil de passageiros. Após duas rodadas de discussão, o governo decidiu construir os dois projetos simultaneamente. Em 2007, a China anunciou o lançamento do projeto de aeronaves de grande porte, com o C919, em Xangai, e o avião de grande porte para transporte em Shaanxi.
  • Quando o projeto foi retomado, eles tiveram que começar do zero devido à falta de uma cadeia de suprimentos relevante e do talento necessário. O orçamento inicial do C919 era de 60-70 bilhões de yuanes, muito superior ao custo do Y-10 (537,7 milhões de yuanes).
  • É correto que o COMAC escolha o caminho independente para P&D, mas a China deveria aprender com as lições do Y-10 e ser mais paciente com os contratempos. O objetivo estratégico do país não deve ser apenas fazer produtos, mas estabelecer uma plataforma de P&D sustentada e realizar uma industrialização avançada.

Resumo

Lu Feng assinala que a conclusão da C919 e seu bem-sucedido voo inaugural certamente afetarão os interesses internacionais. A China não deve subestimar a determinação dos políticos e empresas europeias e estadunidenses em estrangular sua indústria da aviação civil. Mesmo que a Europa e os Estados Unidos não deem ao C919 o certificado de aeronavegabilidade, a China deve continuar o desenvolvimento de sua indústria. Se a aeronave não for autorizada a voar em rotas internacionais, ela ainda poderá fazer voos domésticos. O mercado da China é suficientemente grande para apoiar sua indústria aeronáutica civil.

Como a transformação socialista da China (1953-1956) inovou o Marxismo
He Ganqiang
He Ganqiang (何干强) é professor na Universidade de Finanças e Economia de Nanjing

Contexto

De 1953 a 1956, o Partido Comunista da China (PCCh) levou a cabo uma transformação socialista da propriedade social dos meios de produção na agricultura, artesanato e indústria e comércio capitalistas, também conhecida como "transição socialista" (社会主义改造 shèhuì zhǔyì gǎizào). As medidas foram tomadas de acordo com a linha geral do partido sobre o período de transição, o qual gradualmente estabeleceu um sistema econômico socialista, tendo a propriedade pública como fundação. De acordo com He Ganqiang, a transformação socialista da indústria e do comércio capitalistas (资本主义工商业的社会主义改造zīběn zhǔyì gōngshāngyè de shèhuì zhǔyì gǎizào) foi realizada pelo PCCh através da implementação criativa dos princípios da economia política marxista, os quais possuem um significado histórico e prático de grande alcance.

Pontos-chave

  • De acordo com os princípios marxistas, uma revolução proletária deve "eliminar a propriedade privada". Seguindo esse princípio, combinado às circunstâncias da China, o PCCh dividiu a burguesia em burocratas-compradores burgueses (官僚买办资产阶级 guānliáo mǎibàn zīchǎn jiējí) – os quais serviram ao imperialismo internacional – e à burguesia nacional (民族资产阶级 mínzú zīchǎn jiējí), a qual apoiou a revolução socialista. O Partido adotou uma expropriação direta dos bens do primeiro grupo, enquanto que, em relação ao segundo, adotou a diretriz de "uso, restrição e transformação" e a abordagem não conflituosa e pacífica da "redenção". Por exemplo, através da administração conjunta público-privada (公私合营 gōngsī héyíng), a transformação da propriedade privada capitalista em uma economia pública socialista foi gradualmente alcançada.
  • Durante o processo de transformação, Mao Zedong salientou que "temos agora duas alianças: uma com os camponeses e outra com a burguesia nacional". Ambas as alianças são importantes. Ambas as alianças consolidam a aliança dos trabalhadores e dos camponeses e guiam os capitalistas nacionais para o caminho do Socialismo".
  • A transformação socialista da indústria e do comércio capitalistas promoveu o desenvolvimento da industrialização socialista. Durante o Primeiro Plano Quinquenal (1953-1957), o valor total da produção industrial do país aumentou de 27,01 bilhões de yuanes (1952) para 62,82 bilhões de yuanes (1957), com uma taxa média de crescimento anual de 18%.
  • Após a Reforma e Abertura, a privatização em algumas áreas, especialmente no setor público, enfraqueceu a igualdade social e os interesses públicos. Portanto, devemos ser cautelosos e compreender plenamente que um aumento significativo na proporção de propriedade privada (o setor privado responde por cerca de 75% do emprego) poderia levar a consequências negativas, tais como o aumento da diferença de renda.

Resumo

A conclusão bem sucedida da transformação socialista da indústria e do comércio capitalistas em 1956 deveu-se ao enriquecimento e a inovação por parte do PPCh dos princípios marxistas da revolução comunista. De 1952 a 1956, a composição econômica do setor público socialista da China (incluindo a economia estatal, as cooperativas estatais e a economia cooperativa) aumentou de 21,3% para 92,9%. Deng Xiaoping comentou certa vez que "a conclusão triunfal da transformação socialista da indústria e comércio capitalistas é uma das vitórias mais gloriosas da história do socialismo na China e no mundo".

Inscreva-se para receber Vozes Chinesas. O resumo é publicado todos os domingos em inglês, espanhol e português.Baixe o PDF dos artigos completos (traduzidos automaticamente) deste número. As opiniões dos artigos não são necessariamente compartilhadas pelo coletivo editorial Dongsheng.

Siga nossas redes sociais: