pt Vozes Chinesas
No. 52 | 17.07.2022
Jovens quadros se oferecem para ajudar os produtores de uvas no povoado de Rongjin, cidade de Zhangjia. [China Daily]
“O trabalho duro traz oportunidades”: O processo de promoção de quadros jovens de base
Yang Hua (杨华)
Yang Hua (nascido na década de 1980) é professor na Escola de Sociologia da Universidade de Wuhan. Dedicou-se à pesquisa sobre o campo em 2007, visitou quase 20 províncias e cidades na China e publicou um livro intitulado 县乡中国:县域治理现代化 Condado e município na China: a modernização da governança do condado, em 2022, que se tornou imediatamente um bestseller nacional.

Contexto:

Em um novo contexto político, a partir de 2013, jovens quadros de base de toda a China estão avançando numa direção positiva, como exemplificado pela sua proatividade e trabalho junto ao povo. No entanto, o caminho para ser promovido a posições mais elevadas nem sempre é fácil, pois alguns quadros ainda lutam com pensamentos de "auto proteção" e de "aversão a riscos". O relatório de investigação de Yang Hua analisa o processo de promoção de jovens quadros e a compreensão do que isso significa para eles .

Pontos-chave:

  • Antes do 18º Congresso Nacional do Partido Comunista da China (CPC) no final de 2012, a perspectiva dominante dos jovens quadros era a de que as "relações pessoais" eram o principal fator, dentro das fileiras do Partido, para uma promoção bem sucedida em algumas regiões da China. Embora isto não seja verdade no processo de promoção como um todo, esta percepção fez com que os quadros que não foram promovidos se sentissem prejudicados e desapontados, o que levou a muitas queixas.
  • Após o 18º Congresso Nacional do CPC, o mecanismo de seleção e nomeação de pessoal foi corrigido através de uma série de iniciativas lançadas pelo Comité Central do PCCh, que transformaram o clima político interno do partido e do governo.
  • O ambiente para o desenvolvimento dos jovens quadros melhorou significativamente nas quatro formas seguintes: 1) Líderes de unidade (单位 dānwèi) ou setor tomaram a iniciativa de construir um ambiente de trabalho positivo e unificado para que os jovens quadros trabalhassem em conjunto e cooperassem estreitamente. 2) Os líderes de unidade ou setor construíram intencionalmente um mecanismo de desenvolvimento dentro do qual os jovens quadros podem crescer e ser mais cuidadosamente orientados. 3) Os líderes da unidade prestam frequentemente atenção ao trabalho, vida, aprendizagem e desenvolvimento dos jovens quadros. 4) Competência e atitude no trabalho são considerados como os únicos critérios para a seleção e nomeação de pessoal, o que gera um novo ambiente e um novo pensamento – quem trabalhar arduamente, terá uma oportunidade de promoção.
  • Desde 2000, jovens quadros de base, nascidos nos anos 80 e 90, foram promovidos a muitos cargos de liderança. Eles são reflexivos, experientes, enérgicos e ambiciosos, mas ainda sentem muita pressão decorrente de assumirem "responsabilidade política", uma exigência que muitas vezes é projetada nos jovens quadros.
  • De acordo com o inquérito conduzido por Yang, em certas regiões, os jovens quadros sentem-se desmoralizados por esta prestação de contas equivocada; alguns disseram na entrevista da pesquisa que se sentiam como se existisse uma espécie de Espada de Dâmocles, que podia cair sobre eles a qualquer momento: se os seus esforços não conseguirem produzir os resultados esperados, poderiam ser substituídos, realocados e desclassificados rapidamente.
  • Normalmente, esta pressão desmoralizante deriva das seguintes quatro práticas erradas: 1) Os direitos e responsabilidades estão frequentemente em descompasso. 2) Por vezes, há demasiadas tarefas dadas a quadros de base que são consideradas como "tem de cumprir": qualquer tarefa não cumprida significa que o quadro não é promovido e possivelmente é rebaixado. 3) O mecanismo de prestação de contas pode ser manipulado por quadros superiores, que estão habituados a se desresponsabilizar das tarefas e a culpar os seus subordinados. 4) Os quadros de base podem se esgotar por pedidos para cumprirem todas as suas tarefas no mais alto nível de qualidade.
“O sistema de produção estadunidense”: ascensão e fragmentação de um Império industrial
Yan Peng (严鹏)
Yan Peng é professor associado do Instituto de História Moderna da China, Universidade Normal Huazhong, e diretor adjunto do Centro de Pesquisa da Cultura Industrial Chinesa. Ele publicou vários artigos sobre a relação entre o processo histórico de industrialização e o socialismo na China. Ele também publicou um livro intitulado Guerra e Industrialização: A mudança no setor chinês de fabricação de equipamentos durante a Guerra Anti-Japonesa.

Contexto:

As tensões comerciais no mundo se concentram em torno do setor manufatureiro. Durante os últimos cinco anos, a guerra comercial entre a China e os Estados Unidos se intensificou e continuará a aumentar ainda mais. Yan Peng oferece um ponto de vista baseado em uma análise histórica dos acontecimentos: a base da hegemonia política dos Estados Unidos era um forte setor manufatureiro. Nas últimas décadas, a manufatura dos Estados Unidos tem mostrado um declínio irreversível, apesar dos esforços do governo para reativá-la. Esse declínio se tornou uma das fontes importantes para as tensões políticas e econômicas globais de hoje.

Nota do editor: embora o autor tenha apontado como a fraqueza competitiva contribuiu para o declínio da produção norte-americana, uma análise mais profunda das regras que regem a produção na era do imperialismo é necessária. Desde meados dos anos 90, com o domínio do capital financeiro para maximizar os lucros, o imperialismo americano acelerou a mudança de sua base industrial para o exterior, especialmente para o Sul Global e para a China em particular. Paralelamente, havia outros fatores em jogo: os ganhos de produtividade eliminaram muitos empregos nos Estados Unidos e a falta de investimento em manufatura resultou de investimentos de capital financeiro onde os lucros foram maiores.

Pontos-chave:

  • Como resultado de sua incapacidade de fabricar bens de primeira necessidade durante a Guerra da Independência da Grã-Bretanha, os líderes militares e políticos americanos aprenderam rapidamente a importância vital de ter um setor manufatureiro forte, que pudesse fornecer materiais estratégicos e bens manufaturados. Assim, nasceu o "sistema de produção estadunidense", primeiro desenvolvido pelos militares, e depois introduzido no setor industrial dos EUA, onde continuou a se desenvolver.
  • O "sistema estadunidense" tem duas conotações: a primeira se refere às idéias e práticas protecionistas econômicas dos Estados Unidos do século XIX contra o livre comércio britânico, conhecido como o "sistema institucional estadunidense"; a segunda se refere à ascensão do sistema de produção em massa dos Estados Unidos do século XIX.
  • A mecanização da produção em massa – um sistema de produção padronizado baseado em peças e módulos intercambiáveis – é uma das principais características na evolução da fabricação dos Estados Unidos.
  • A hegemonia militar e política alcançada pelos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial tornou-se, com o passar do tempo, um paradoxo para a manufatura estadunidense. Para manter sua hegemonia política, os Estados Unidos foram obrigados a fazer concessões econômicas a seus aliados, abrindo seu mercado interno aos bens manufaturados dos aliados. Como resultado, os concorrentes estrangeiros ganharam maior participação no mercado e isso contribuiu para o declínio de indústrias como a automobilística, a siderúrgica e a de máquinas-ferramentas.
  • Os Estados Unidos, entretanto, mantiveram sua liderança inovadora e de longo prazo nas indústrias militar, aeroespacial e de informação eletrônica, o que gerou altas margens de lucro ao alavancar a grande quantidade de capital de conhecimento acumulado.
  • Para o governo dos Estados Unidos, os problemas de desemprego, a perda de trabalhadores qualificados, a falta de auto-suficiência em bens estratégicos de defesa, e a deterioração das economias regionais provocada pelo declínio da manufatura doméstica são graves. Desde os anos 80, os Estados Unidos vêm travando guerras comerciais, primeiro contra seus aliados e depois contra potências emergentes em desenvolvimento.
  • As contradições econômicas dentro dos Estados Unidos representam uma importante razão pela qual a ordem política e econômica mundial entrou numa era de conflito e turbulência, que o poder hegemônico dos Estados Unidos não consegue resolver.

Inscreva-se para receber Vozes Chinesas. O resumo é publicado todos os domingos em inglês, espanhol e português.Baixe o PDF dos artigos completos (traduzidos automaticamente) deste número. As opiniões dos artigos não são necessariamente compartilhadas pelo coletivo editorial Dongsheng.

Siga nossas redes sociais: